NOSSA MISSÃO: “Anunciar o Evangelho do Senhor Jesus à todos, transformando-os em soldados de Cristo, através de Sua Palavra.”

Versículo do Dia

Versículo do Dia Por Gospel+ - Biblia Online

terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Teologia da gratidão: A gratidão cura e evita doenças

“EM TUDO DAI GRAÇAS” é o tema da nossa campanha editorial em fevereiro. O portal Ultimato vai lembrar ao leitor o apelo das Escrituras (1 Ts 5.18) ao longo das próximas semanas. Agradecer em tudo? Como assim? Do layout aos estudos bíblicos, “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus”.


Por Elben César

Os cristãos são ensinados a pedir: “Peçam, e lhes será dado” (Mt 7.7). Também são ensinados a agradecer: “Deem graças em todas as circunstâncias” (1Ts 5.18).

Não há como negar: a falta de gratidão é falta de educação. Além disso, a gratidão tem um enorme valor terapêutico. O cristão que cultiva o hábito de agradecer a Deus é uma pessoa mais saudável, mais disposta, mais dinâmica e mais aceita. A gratidão leva ao louvor e pode transformar prosa em verso.

Uma multidão de mal-agradecidos

É preciso falar sem rodeios: falta de gratidão é falta de educação. Antes de ensinar aos filhos a dizer “muito obrigado”, os pais precisam aprender a dizer “muito obrigado” a Deus.
É muito conhecida a história dos dez leprosos que foram curados por Jesus numa de suas viagens da Galileia para a Judeia. Eles não obtiveram a cura no momento nem no local em que se encontraram com o Senhor, mas na caminhada ao encontro dos sacerdotes, de acordo com a orientação dada por Jesus. Depois de curados, só um deles, que era samaritano, voltou e prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus para agradecer. Então, Jesus fez três perguntas de imediato aos que estavam ao seu redor: “Não foram purificados todos os dez? Onde estão os outros nove? Não se achou nenhum que voltasse e desse louvor a Deus, a não ser este estrangeiro?” (Lc 17.17-18).

Espírito de gratidão


A Bíblia manda pedir e manda agradecer. Não apenas pedir, mas também agradecer. “Sede agradecidos” – ordena enfaticamente o apóstolo Paulo (Cl 3.15). A expressão “Rendei graças ao Senhor”, que são as primeiras palavras de cinco Salmos (105, 106, 107, 118, 136), aparece inúmeras vezes nesse livro poético. Até o esquisito Jonas fala em agradecimento quando menciona a sua necessidade de Deus para livrá-lo do ventre do peixe (Jn 2.9). O espírito de gratidão de Paulo é impressionante. O apóstolo está sempre dando graças. Logo no início de onze de suas treze epístolas, Paulo registra que dá graças a Deus por suas manifestações na vida daqueles para quem escreve (Rm 1.8; 1Co 1.4; 2Co 2.14; Ef 1.16; Fp 1.3; Cl 1.3; 1Ts 1.2; 2Ts 1.3; 1Tm 1.12; 2Tm 1.3; Fm 4). Ele, que tanto ora pela igreja e pelos fiéis, se sente na obrigação de agradecer: “Devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor” (2Ts 2.13).

O valor terapêutico da gratidão

A gratidão é tão necessária ao espírito humano quanto à confissão de pecados e ao desabafo da alma perante o Senhor – não só no aspecto ético, mas também no aspecto emocional. Faz muito bem à mente enumerar e agradecer as bênçãos recebidas da divina mão. Esse exercício alegra, anima e fortalece a alma. Afasta o cristão de seus problemas reais ou imaginários e o aproxima de Deus. Abre os seus olhos para “a entranhável misericórdia de nosso Deus” (Lc 1.78) e fecha-os para a opressão do demônio.

A gratidão profunda e contínua cura o pessimismo, o derrotismo e a fatalidade cega. O cristão que cultiva o hábito de agradecer a Deus pelo que ele é e pelo que ele faz dificilmente terá crises de desânimo. Não abrigará no coração a presença incômoda e doentia do queixume e da amargura. Será uma pessoa mais saudável, mais disposta, mais dinâmica e mais aceita por Deus.

Da prosa ao verso

Embora haja alguma diferença entre render graças e salmodiar, as duas expressões de culto se completam e andam juntas. Render graças é expressar gratidão; salmodiar é cantar ou recitar poemas em louvor a Deus.

É preciso salmodiar (Sl 30.4; 47.6; 66.2) ou cantar com júbilo ao Senhor (Sl 9.11; 81.1; 98.1). Foi isso que Moisés fez logo após a passagem a seco pelo mar Vermelho (Êx 15.1-19). Foi isso que Ana fez logo após o nascimento de Samuel (1Sm 2.1-10). Foi isso que Débora fez logo após a vitória de Israel sobre Sísera (Jz 5.1-31). Foi isso que Davi e os filhos de Coré sempre fizeram para registrar a misericórdia divina (a maior parte dos Salmos). Foi isso que Ezequias fez logo após ter sido curado por Deus (Is 38.9-20). Foi isso que Maria, Zacarias e Simeão fizeram logo após o nascimento de Jesus (Lc 1.46-55, 67-69; 2.29-32). A gratidão leva ao louvor e pode transformar prosa em verso.

Trecho publicado originalmente em Teologia Para o Cotidiano, de Elben César.

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Concurso PF 2017 e Concurso da PRF 2017 estão no forno!

Para quem busca ingressar em carreiras policiais no ano de 2017, é bom ficar de olho em duas oportunidades bem interessantes: os concursos da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal. De acordo com os veículos especializados, a chance desses certames ocorrerem ainda este ano é muito grande.
Até mesmo o Jornal Folha Dirigida, especializado em concursos públicos no Brasil, tem divulgado notícias sobre os concursos da PF e da PRF. Veja o infográfico abaixo, com informações sobre as vagas e remuneração em ambas instituições:
Concurso PF e PRF
O Ministério da Justiça confirmou que já recebeu o pedido do concurso da PRF e que o processo, agora, será encaminhado para análise do ministro Alexandre de Moraes, para que depois possa ser encaminhado para aprovação do Ministério do Planejamento. A documentação inclui uma sugestão de cronograma que propõe a publicação do edital do concurso já em abril, com a primeira etapa da seleção (provas objetiva, discursiva, de títulos, física, médica e psicológica) acontecendo até agosto. A PRF ressalta, no entanto, que as datas dependem da autorização do concurso em tempo hábil, que pelo cronograma sugerido, teria que acontecer já agora, em fevereiro. Mas, segundo o órgão, isso “ainda está no campo de tratativas”. Para agilizar a abertura da seleção, a PRF já elaborou, inclusive, uma proposta de novo edital para o concurso.
A PF, por sua vez encontra-se em situação um pouco mais favorável, uma vez que, na teoria, tem autonomia para promover concursos para cargos policiais. O diretor-geral da corporação já autorizou a abertura de concurso para 1.758 vagas, sendo 600 de agente e 600 de escrivão, com iniciais de R$11.897,86, e 491 vagas de delegado e 67 de perito, cujos iniciais são de R$22.102,37.

Fonte: Concurso Policial

Ex-homossexual testemunha como abandonou o pecado

Quando falamos em transformação geralmente nos vem à mente a mudança que Jesus Cristo opera em nossas vidas quando nos entregamos verdadeiramente a Ele. A entrevista de hoje traz a tona a história de Ramon Pedro.
Criado na pequena cidade de Amorés, Minas Gerais Ramon disse que a realidade do mundo conturbava ainda mais a convivência dos seus pais.
“Meu pai quando eu nasci era bem jovem e já viciado em drogas, álcool e pelo curto período que vivemos juntos em família foi sempre com muiAlém de uma vida familiar triste nosso personagem ainda sofria na vida escolar.
“Um ponto que marcou minha vida profundamente foi o bullying que sofri na escola. Por ser uma criança que tinha muitos trejeitos, era constantemente apontado como gay, bichinha, mulherzinha, menininha, viadinho e palavras do tipo”.
De acordo com Ramon, essa fase da vida influenciou na sua formação como ser humano. Ele diz que esta pré-afirmação da sua sexualidade foi a gota d’água para uma vida na devassidão do pecado com o nome de Valentina.
A continuação dessa situação trouxe à porta daquele jovem a presença do ativismo gay. Naquele momento Ramon já se envolvia, travestido de mulher, no meio homossexual. Segundo ele, uma experiência de quase morte foi o momento inicial de sua transformação.
“O momento mais difícil quanto a esse passado foi uma experiência de quase morte pelo uso abusivo de ecstasy, cocaína e álcool. Fui parar na emergência com paradas respiratórias e percebi que eu estava no final da vida com apenas 22 anos.”
Para Pedro estar em Cristo “é um desafio diário e se tornar nova criatura só é possível no novo nascimento”. Pedro, que também segue carreira musical, afirma que tem sempre pregado sobre o ensinamento que Jesus dá a Nicodemos sobre o novo nascimento e que ele deve ocorrer no espírito.
“Minha conversão foi gerada quando nasci novamente no espírito e isso foi um processo bastante dolorido porque foi necessário perder muitas coisas e nossa carne, quando chegam às perdas, milita contra o espírito pra que nosso homem espiritual não nasça”, disse Pedro Ramon.
Ele conta que viveu 22 anos de sua vida sem Jesus e que a partir do momento que abriu o coração para Ele e para sua verdade foi transformado.
“Minha oração é para que a chama do primeiro amor nunca se apague do meu coração. Porque Ele foi quem soprou vida novamente sobre mim no leito de um hospital.”
Quando questionado sobre o comentário defendido pelo ativismo gay de que a homossexualidade não é uma questão de escolha Ramon Pedro respondeu:
“Todas as respostas referente a isso eu encontrei pro meu caso. Eu acreditava fielmente que eu tinha nascido gay e cheguei a dizer isso a minha mãe na minha adolescência e, na época, ela, pela fé, fez uma oração a Deus dizendo que se Deus existia realmente, era pra me fazer nascer de novo e eu nasci”.
Segundo o músico os impulsos sexuais são combatidos em uma renúncia diária.
“O diabo nesse tempo tem prendido o mundo por intermédio do sexo. Ele sabe que quando se prende alguém dessa forma ele faz com nós seres humanos uma aliança. A Bíblia diz que quando um homem se deita com uma prostituta ele se torna um com ela. Isso é muito sério. Quando o homem se junta a sua esposa eles se tornam uma só carne, porque o sexo é uma aliança.”
Atualmente Ramon desenvolve um projeto que tem alcançado diversas pessoas, não apenas oferecendo a oportunidade de abandonar as práticas homossexuais, como também oferecendo a chance de transformação através do sangue de Jesus.
“Isso me alegra, pois estamos vendo que mesmo vivendo em uma geração tão corrompida pelo pecado ainda assim o temor de Deus está em muitos corações.”
Atualmente Ramon e sua esposa, Raiane Teodoro, desenvolvem o Projeto Esperança no estado da Bahia. Segundo ele, a transformação que Jesus o permitiu experimentar serviu como base para que ele ministrasse nas igrejas o seu testemunho levando a Palavra de Deus. Após esta iniciativa ele se sentia preparado para algo maior e mais desafiador. “Eu sentia uma necessidade de começar um trabalho de acolhimento e amparo espiritual para pessoas que vivem como eu vivi no passado”, disse ele.
A iniciativa acolhe pessoas que vivem marginalizadas na sociedade e são excluídas pelo preconceito. Segundo Ramon “a idéia não é julgar ou mudar ninguém porque isso é uma decisão pessoal de cada um, estamos aqui para acolher e amar. Temos como objetivo uma reintegração social, pois são pessoas que não encontram oportunidade de emprego pelo preconceito que existe”, concluiu ele.
Ramon mantém um canal no Youtube onde publicada vídeos narrando sua história de vida.
Como conselho aos pais e filhos que lêem esta entrevista ele diz: “Ame, ore e vigie”.

Fonte: gospelprime

domingo, 26 de fevereiro de 2017

A Singularidade do Evangelho

A SINGULARIDADE DO EVANGELHO

O apóstolo Paulo, o maior bandeirante do Cristianismo, estava saindo de Éfeso rumo a Jerusalém, quando escreveu seu maior tratado teológico, a carta aos Romanos. No introito dessa epístola, tratou do tema principal da carta, a singularidade do evangelho. Já de início demonstrou três atitudes em relação ao evangelho: eu sou devedor (Rm 1.14); eu estou pronto (Rm 1.15); e eu não me envergonho (Rm 1.16).
Por que alguém se envergonharia do evangelho? Primeiro, porque este trata da pessoa de Cristo, o Messias de Deus, que veio ao mundo, nasceu de forma humilde, cresceu numa cidade pobre e morreu numa cruz. Segundo, porque pelo evangelho, o próprio apóstolo Paulo já havia sofrido açoites e prisões. Inobstante a cruz ser escândalos para os judeus e loucura para os gentios; e apesar de todo o sofrimento decorrente da proclamação do evangelho, Paulo destaca a singularidade do evangelho, quando escreve: “Porque não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé” (Rm 1.16,17). Deste texto, extraímos cinco verdades:
Em primeiro lugar, o poder do evangelho. O evangelho é o poder de Deus. Portanto, não há qualquer fraqueza nele, pois Deus é onipotente. O evangelho é a dinamite de Deus para derrubar as fortalezas do coração mais duro. É a força irresistível que desarma a incredulidade mais cega. O próprio Paulo, perseguidor implacável da igreja, mesmo na sua marcha sangrenta de oposição aos cristãos, foi transformado por uma ação soberana e irresistível do evangelho. O evangelho quebra barreiras, derruba estruturas, penetra nos lugares mais fechados e transforma os corações mais rendidos ao pecado.
Em segundo lugar, o propósito do evangelho. O evangelho é o poder de Deus para a salvação. Há poder que destrói e mata, mas o evangelho é o poder que dá vida e salva. O evangelho não é apenas o poder de Deus para a salvação, mas também, o único poder capaz de salvar. A religião, os ritos sagrados, as boas obras ou quaisquer outros expedientes humanos são absolutamente insuficientes para salvar o homem. Só no evangelho há salvação. O evangelho fala das boas novas de Cristo: sua vida, sua morte, sua ressurreição e seu governo. Não há salvação em nenhum outro nome. Só Jesus salva!
Em terceiro lugar, o alcance do evangelho. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê e só daquele que crê. O evangelho não é o poder de Deus para a salvação do descrente. Muito embora, a fé não seja a causa meritória da salvação, é sua causa instrumental. Apropriamo-nos da salvação pela graça, mediante a fé. A salvação é oferecida a todos, mas somente aqueles que creem são salvos. Não há aqui qualquer acepção de pessoas, seja de raça, posição social ou estofo cultural. Todo aquele que crê em Jesus é salvo.
Em quarto lugar, a universalidade do evangelho. O evangelho é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego. O evangelho é para todos os povos. É universal em seu escopo, pois Jesus morreu para comprar com o seu sangue aqueles que procedem de toda tribo, língua, povo e nação. Não há limitação geográfica nem barreira étnica no evangelho. É endereçado a toda criatura, em todo o mundo, até aos confins da terra.
Em quinto lugar, a eficácia do evangelho. O apóstolo Paulo é enfático, quando escreve: “Visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé”. O homem sendo pecador, jamais poderá ser justificado diante do Deus santo com base em seus méritos pessoais, pois as nossas justiças não passam de trapo de imundícia. Porém, nossas transgressões foram lançadas sobre Jesus e sua justiça foi imputada a nós, para que a justiça de Deus, revelada no evangelho, fosse apropriada por nós, pecadores, pela fé. Então, aquele que crê é declarado justo diante do tribunal de Deus e passa a viver pela fé. Quão singular é o evangelho!

Rev. Hernandes Dias Lopes

sábado, 25 de fevereiro de 2017

19a. Consciência Cristã (Vejam plenárias que serão transmitidas ao vivo)

A coordenação geral da 19ª Consciência Cristã deu a conhecer na tarde desta terça-feira (21/02), a tabela de transmissão de plenárias que serão realizadas no evento, cuja abertura acontecerá nesta quinta-feira, dia 23, às 19h, no Parque do Povo em Campina Grande(PB).
De acordo com o coordenador, Euder Faber, todas as plenárias serão transmitidas via internet pelo Blesss, plataforma de distribuição de conteúdo digital da Visão Nacional Para a Consciência Cristã (VINACC) no endereço www.aovivo.blesss.org.
Pela tabela, serão transmitidos: O Painel de Debate no sábado pela manhã; as plenárias noturnas dos seis dias, começando às 19h (exceção apenas a quinta e sexta, quando começam às 19h30) e as plenárias diurnas, a partir do domingo, começando às 9h.
Conheça a programação de plenárias que serão transmitidas:
QUINTA-FEIRA – 23.02
Plenária de Abertura
Horário: 19h30
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Hernandes Dias Lopes (IPB/ES)
Tema: A Restauração de Pedro – Jo 21.1-19
Participações musicais:
• Paulo César & Nilma Soares (SP)
• Orquestra Átrios de Louvor (AD/CG-PB)
• Coral Silvino Silvestre (AD/CG-PB)
SEXTA-FERA – 24.02
Plenária:
Horário: 19h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Augustus Nicodemus (IPB/GO)
Tema: Por que Podemos Confiar na Bíblia – Lc 1:1-4
Participação musical: Paulo César & Nilma Soares (SP)
Obs.: Programação aberta ao público.
SÁBADO – 24.02
Programação Matutina:
Painel Sobre a Realidade da Igreja
Horário: 9h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Mediador: Pr. Renato Vargens (ICA/RJ
Preletores:
• Pr. Augustus Nicodemus (IPB/GO)
• Pr. Franklin Ferreira (IB/SP)
• Pr. Ciro Sanches Zibordi (AD/RJ)
• Pr. José Bernardo (AMME/SP)
Participações musicais: AD Souto & Cristiano Borges (PB)
NOITE
Primeira Plenária noturna

Horário: 19h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Davi Charles Gomes (IPB/SP)
Tema: Uma Verdade para Todo Mundo. Amós 9:11-15
Segunda Plenária noturna
Horário: 20h30
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Paulo Junior (IAC/SP)
Tema: Provai os Espíritos
Participação musical: Paulo César & Nilma Soares (SP) / Visão Cristocêntrica – PB
DOMINGO – 26.02
Primeira Plenária Matinal
Horário: 9h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Ciro Sanches Zibordi (AD/RJ)
Tema: O Impacto da Palavra de Deus nos Corações
Segunda Plenária Matinal
Horário: 10h20
Preletor: Pr. Mauro Meister (IPB/SP)
Tema: A Tua Palavra Transforma!
Participação musical: Visão Cristocêntrica – PB
NOITE
Primeira Plenária Noturna
Horário: 19h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Renato Vargens (ICA-RJ)
Tema: A Tua Palavra é a Verdade
Segunda plenária Noturna
Horário: 20h30
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. D. A. Carson (EUA)
Tema: A Primeira Prioridade (Deuteronômio 17.14-20)
Participação musical: Stênio Marcius (SP) / Visão Cristocêntrica (PB)
SEGUNDA-FEIRA – 27.02
Primeira Plenária Matinal
Horário: 9h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Leandro Lima (IPB/SP)
Tema: Valor e o Poder do Evangelho
Segunda Plenária Matinal
Horário: 10h20
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. D.A. Carson (EUA)
Tema: A Conformação da Sua Mente (Salmo 1)
Participação musical: Socorro Telles (PB)
NOITE
Primeira Plenária noturna
Horário: 19h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. José Bernardo (AMME/SP)
Tema: Omnis Scriptura
Segunda Plenária noturna
Horário: 20h30
Preletor: Pr. D. A. Carson (EUA)
Tema: Jesus é o Cumprimento das Escrituras (Mateus 5.17-20)
Participação musical: Stênio Marcius (SP) / Visão Cristocêntrica (PB)
TERÇA-FEIRA – 27.02
Primeira Plenária Matinal
Horário: 9h
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Jailson Santos (IPB/SP)
Tema: A Verdade e a Sabedoria de Deus
Segunda Plenária Matinal
Horário: 10h20
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. D.A. Carson (EUA)
Tema: As Escrituras Não Podem Ser Deixadas de Lado (João 10.35)
Participação musical: Ad Souto & Cristiano Borges (PB) / Socorro Telles (PB)
NOITE
Primeira Plenária noturna
Horário: 20h30
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. Aurivan Marinho (IC/PE)
Tema: Os Desafios da Espiritualidade e a Suficiência das Escrituras
Segunda Plenária noturna
Horário: 20h30
Local: Tabernáculo (Parque do Povo)
Preletor: Pr. D. A. Carson (EUA)
Tema: Aprendendo e Proclamando as Escrituras (2 Timóteo 3.14-4.5)
Participação musical: Stênio Marcius (SP) / Visão Cristocêntrica (PB)
Por Gomes Silva
Redação: Consciência Cristã News
Foto: VINACC

Abusadores sexuais: como a igreja deve lidar com eles

Esse é um cenário de pesadelo para todos os envolvidos: um homem liga para o seu pastor em lágrimas e solicita uma reunião o mais rápido possível. Trinta minutos depois, ele está no escritório do pastor, confessando que sua esposa o pegou tocando sua filha de 13 anos de forma sexual. Ele parece completamente perturbado, até que o pastor exorta o homem a ligar para o disque-denúncia de abuso infantil e denunciar a si mesmo. Então, o agressor começa a se proteger: “Isso não destruirá a minha família? Isso não me custará o meu trabalho? Isso não destruirá a minha reputação?”. O homem se recusa e sai do escritório. Duas semanas depois, toda a sua família muda de estado para um local desconhecido.
O que o pastor deve fazer? Muitas vezes, o pastor não faz nada, ainda que muitos estados tenham leis de denúncia de abuso sexual que exijam que clérigos denunciem este tipo de abuso mesmo quando a prerrogativa de pastor-confessor tenha sido invocada. Da mesma forma, a liderança da igreja não faz nada, argumentando que a família fugiu para outro estado, além do alcance da sua antiga congregação. E o resultado é que um abusador sexual se livra do seu pecado e crime e continuará a cometer esse pecado até que finalmente seja pego pelas autoridades.
Pense na criança envolvida, o que a igreja está dizendo em relação a ela neste caso? Pense sobre a esposa e os outros filhos; no próprio homem e em sua alma imortal; na nova comunidade para a qual ele se mudou com sua família, o que a igreja está dizendo em relação a esses envolvidos? Pense na igreja e no evangelho, o que a igreja está dizendo no que diz respeito a estes?
Em cada caso em que a igreja não enfrenta o pecado, e especialmente os pecados sexuais disruptivos, estamos dizendo algo muito simples: amamos a nós mesmos, nosso conforto e nossa reputação mais do que a Deus, o evangelho e os outros. Isso é o que acontece quando não vemos mal algum.
É claro que existem inúmeras outras situações em que nossas igrejas e nossa liderança relevam o mal:
• Quando o eminente apoiador financeiro deixa a sua mulher por outra e a igreja não lhe disciplina, permitindo que ele “renuncie” à sua membresia;
• Quando o cardiologista ameaça sua esposa com uma arma, depois diz que “estava apenas brincando”, e não sofre nenhuma consequência;
• Quando a mãe de meia-idade, tendo três filhos, decide deixar seu marido, sua casa e sua igreja simplesmente porque ela não está feliz e ninguém entra em contato com ela.
Em cada uma dessas formas e em inúmeras outras, quando a igreja não consegue lidar com os indivíduos com disciplina formativa, corretiva, graciosa e amorosa, provocamos dano espiritual e realmente traímos o evangelho.
Então, o que faremos sobre isso? Como nossas igrejas podem brilhar como luzes no meio de situações reconhecidamente difíceis, complexas e confusas? Como passamos de ser pessoas que não veem mal algum e amam nosso próprio conforto a pessoas que amam a Cristo e seu povo, independentemente do custo para nós?
Planeje com antecedência
As igrejas muitas vezes não fazem a coisa certa — tanto eclesiástica quanto civilmente — porque não pensaram com antecedência em como proceder em situações específicas. Não podemos esperar até que o cenário de pesadelo ocorra. Se o fizermos, teremos certeza de lidar com isso da forma inadequada. Antes, precisamos antecipadamente ter procedimentos claros e escritos a serem seguidos.
Para as igrejas presbiterianas, há um sentido em que isso já foi determinado para nós. Na igreja Presbiteriana na América, por exemplo, temos o livro de ordem da igreja, que estabelece um processo disciplinar. Para as igrejas independentes que não têm regras de disciplina denominacional é necessário que haja um processo claro e escrito de disciplina eclesiástica. Independentemente do contexto denominacional, como líderes eclesiásticos, devemos estar determinados a seguir o processo — não importa quem esteja envolvido (Mateus 18.15-20; 1Timóteo 5.21).
Entretanto, devemos admitir que talvez precisemos de outros protocolos para ajudar a orientar respostas a situações específicas. Por exemplo, quando há suspeita ou confirmação de abuso infantil, os líderes da igreja precisam ter e seguir diretrizes específicas para denunciar o caso às autoridades civis competentes. Para desenvolver tais protocolos, será necessário trabalhar com um advogado local para garantir que a igreja cumpra as leis estaduais de denúncia. Ter esse protocolo escrito retira os achismos da denúncia. Em muitos estados, a exigência é que os líderes eclesiásticos relatem o assunto assim que ele é descoberto, e então permitam que as autoridades competentes investiguem e determinem se um crime foi cometido. Cooperar com o estado nestas questões é apropriado e bíblico (Romanos 13.1-7).
Seja firme, mas amável
O apóstolo Paulo nos exorta a restaurar os pecadores com brandura (Gálatas 6.1). Tal mansidão não é oposta à firmeza e à determinação; pelo contrário, isso decorre de reconhecer que nós também somos pecadores. Esse reconhecimento deve nos preservar de uma justiça própria jactanciosa ou de uma ira arrogante. Esteja certo de que com pecados como o abuso infantil, há uma ira justa que é apropriada contra o pecado e seus efeitos a longo prazo. Ainda assim, é a bondade de Deus que leva ao arrependimento (Romanos 2.4). Mesmo enquanto tratamos amável e firmemente com aqueles que cometem o crime, estamos buscando o seu arrependimento e restauração final.
Porém, muitas vezes falhamos em demonstrar compaixão similar para com as vítimas. As igrejas regularmente noticiam falhar ao lidar com compaixão com as mulheres que se divorciam dos seus maridos que são flagrados vendo pornografia infantil; ou relevarem quando casos de abuso infantil são descobertos. Outras igrejas confessam que se recusam a defender as mulheres que são fisicamente maltratadas por seus maridos ou que as crianças que são abusadas sexualmente por seus pais passam despercebidas. Onde está a compaixão por essas vítimas? Como igrejas, devemos ser determinados a demonstrar compaixão àqueles contra quem o pecado foi cometido por sermos determinados a fazer com eles como desejamos que os outros façam conosco (Mateus 7.12).
Lidere e se envolva com o evangelho
Tanto o autor quanto a vítima do pecado precisam da mesma coisa: o evangelho de Jesus. Aqueles que cometem pecados sexuais — seja imoralidade sexual, adultério ou mesmo abuso sexual — precisam ouvir o evangelho. A suma da disciplina é confrontar o pecador com as demandas de Cristo, exigir o arrependimento, mas também buscar novos padrões de obediência que só podem ocorrer quando o pecador corre diariamente para Cristo.
Muitas vezes, aqueles que cometem pecados complicados e hediondos acreditam que seus pecados são muito grandes para que sejam perdoados. Eles precisam ser lembrados de que “não há pecado tão grande, que possa trazer condenação àqueles que verdadeiramente se arrependem” (Confissão de Fé de Westminster 15.4). Tal arrependimento genuíno provém da “apreensão da misericórdia [de Deus] em Cristo para com aqueles que se arrependem” (CFW 15.2). Quão grande é a misericórdia de Deus em Cristo? Tão grande que ele enviou seu Filho unigênito para morrer pelos pecadores, e que essa morte é suficiente para perdoar todos os nossos pecados, mesmo os mais hediondos.
As vítimas também precisam do evangelho de Jesus: que Jesus é um Salvador que não esmaga a cana quebrada ou apaga a torcida que fumega (Mateus 12.20); que ele se identifica com o ferido e quebrantado e concede liberdade aos oprimidos pelo pecado (Lucas 4.17-21); e que Ele também perguntou “por quê?”, quando a dor e o desamparo de Deus foram esmagadores (Mateus 27.46).
Mas as vítimas do pecado também precisam saber que Jesus faz mais do que se identificar conosco em nossas dores, ele realmente fez algo sobre isso. Através da sua ressurreição, ele é capaz de dar nova vida e nova esperança no presente e no futuro. Há poder para prosseguir em meio a dor que eles conhecem. Além disso, o evangelho nos fornece a base para o perdão, sabendo que nós também cometemos pecados hediondos contra Deus (Efésios 4.32).
Esteja preparado para um longo caminho
Essa é realmente a coisa mais difícil de todas. Como líderes no ministério, gostamos de acreditar que quando intervimos, trabalhamos em um processo disciplinar e nos envolvemos com o evangelho, nós “consertamos” a situação. Mas isso não funciona assim. Especialmente em situações em que há uma denúncia significativa — como em um relacionamento adúltero de longo prazo, divórcio ou abuso sexual — pode levar meses e anos de aplicação do evangelho para que vejamos cura e esperança.
Tais situações geralmente envolvem apoio financeiro (se o criminoso arrependido perde o seu emprego, se houver um divórcio), aconselhamento ou terapia de longo prazo (que podem ou não ser cobertos pelo seguro) ou reuniões contínuas e regulares de prestação de contas. Essas coisas custam tempo, esforço e energia emocional aos pastores e líderes no ministério.
E, ainda assim, Deus, por meio do seu Espírito, não apenas nos sustenta para amar dessas maneiras, mas também nos aponta para o objetivo final de tudo: “[Cristo,] o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo” (Colossenses 1.28). Ver pecadores recuperados, vítimas restauradas e os dois em caminho seguro para o céu — o que mais um pastor ou uma igreja desejariam?

Tradução: Camila Rebeca Teixeira
Revisão: William Teixeira
Original: Ministering to the Abused and the Abusers

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Uma Esposa Fiel

Há alguns dias, meu marido escreveu um artigo sobre ser um esposo fiel, e eu fiquei pensando sobre o que é ser uma esposa fiel. Ser esposa do meu marido é uma das grandes alegrias da minha vida, mas eu tenho muito a aprender. Assim como meu marido, apresento alguns conceitos, porém de maneira mais breve.
1. Uma esposa fiel é uma cristã fiel – Isso significa que ela reconhece seus pecados contra Deus como seu maior problema , e o amor de Cristo que O levou a viver e morrer por ela é o seu maior tesouro. Ela é uma mulher tão amada por Deus que Lhe ama em troca e deseja fazer tudo o que Ele mandou. Assim, sendo amada por Deus, ela é livre para ser uma esposa fiel ao seu marido ao invés de exigir que seu esposo lhe ame do jeito que ela gostaria de ser amada. O amor de Deus faz com que ela seja a esposa que Deus lhe ordenou ser.
2. Uma esposa fiel é auxiliadora do seu marido.
E disse o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma adjutora que esteja como diante dele”. (Gênesis 2:18).
Depois de Deus, seu dever neste mundo é seu marido e o lar que constroem juntos. Assim, ela deve usar suas palavras, seu tempo e ações para edificar, animar e apoiar seu esposo, para ajudá-lo com o chamado de Deus. Ela pode fazer isso primeiramente em casa, mas também pode fazer trabalhando fora ( como vemos em Provérbios 31 -uma mulher compra uma propriedade rural e vende roupas). Mas o primeiro dever da esposa é o seu marido.Ele é sua principal prioridade depois de Deus, e quando seu esposo percebe que tem essa importância para ela, ele facilmente confia nela. Ela só quer seu bem, em tudo o que diz e faz, e não o mal, sendo que ”bem” significa Deus declarar a Sua Palavra.
3. Uma esposa fiel respeita o esposo. Deus diz para as mulheres respeitarem os maridos. (Efésios 5:33) Respeitar o marido significa honrar seus desejos, pensamentos, opiniões , trabalho e conquistas. Uma esposa cristã aprende a respeitar o esposo confiando em Jesus, que morreu pelos seus pecados para lhe dar vida eterna. E Ele diz para ela respeitar o marido. Ela crê que fazer o que Jesus diz é para o seu bem – mesmo se seu marido age de modo que não merece respeito. Eu não quero dizer que uma esposa deve tolerar um comportameto pecador. O que eu quero dizer é que a piedade ou impiedade do marido não tem nada a ver com a obediência da esposa à ordem de Deus ”respeite seu marido” (Efésios 5:33). Nada do que seu marido faça deve impedi-la de falar e agir respeitosamente. E se seu esposo agir desonradamente, ela deve conversar com ele de modo respeitoso, não comprometendo a verdade enquanto confronta o pecado. Respeitar é fazer perguntas cuidadosas (não acusatórias), para que se tenha certeza de entender a situação e as opiniões do marido sem ir direto para conclusões, sem discordar de seus pensamentos antes de tê-los escutado atentamente, sem ser agressiva. É fácil para uma esposa cristã respeitar um esposo fiel. Mas, depois de Deus, uma esposa fiel pode respeitar um marido infiel sem comprometer a verdade ou justiça.
4. Uma esposa fiel é submissa ao marido – Deus diz: ”Mulheres, sujeita-vos a vossos maridos, como ao Senhor”. (Efésios 5:22).
Jesus dá essa ordem às mulheres por quem ele morreu e tirou do pecado e da miséria. Essa ordem vem do coração misericordioso de Deus, por amor a elas. Assim, a submissão de uma esposa é primeiro uma submissão ao Senhor Jesus Cristo. Uma esposa fiel aprende a se submeter a um esposo infiel crendo que Jesus a ama, quer seu bem, e só lhe dá boas ordens. Sua submissão ao Senhor lhe faz forte para representar Deus, contra toda a injustiça e falsidade, até mesmo para se opor ao marido se ele continuar pecando. Submissão não significa se acomodar com uma atitude prejudicial. Ao contrário, significa honrar a Deus e se submeter a Ele, mesmo acima do marido. A submissão a Deus faz a esposa humilde para submeter sua vontade ao marido em todas as coisas que não façam parte do pecado.
5. Por fim, uma esposa fiel expõe os ensinamentos de Jesus ao seu marido. Ela compreende que o Senhor Jesus a perdoou por causa de seus grandes pecados contra um Deus perfeito e infinitamente sagrado. A graça do evangelho significa que ela pode perdoar seu esposo de coração, por seus pequenos pecados contra ela. Ela entende que Deus a trata com justiça, mesmo se ela não for justa, somente por Cristo e Sua justiça. Isso faz com que ela trate seu marido como se ele fosse justo, mesmo quando não é . Ela sabe que Deus em Cristo a amou, mesmo quando ela não foi amável, e isso permite que ela ame seu esposo mantendo as ordens de Deus em relação a ele, mesmo quando ele é desagradável. Ela conhece as palavras preciosas de vida que Deus falou para ela por causa de Jesus: perdão, justo, amado, família, amigo e então, ela usa sua boca para falar palavras do evangelho para seu marido lembrando a ele do amor de Jesus e da esperança de um mundo melhor. ”Abre a sua boca com sabedoria, e a lei da benficiência está na sua língua”. (Provérbios 31:26). Conhecer Cristo de um modo pessoal é a única maneira de ser uma esposa fiel, respeitosa, auxiliadora e submissiva como Deus a chamou para ser ao seu marido.

Tradução graciosamente feita por Izabela Morgado
Fonte: founders.org

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Cristão é queimado vivo pelo Estado Islâmico no Egito

Menos de 48 horas após o grupo terrorista Estado Islâmico (EI) ter divulgado um vídeo onde  ameaçava atacar cristãos, principalmente os coptas, o governo do Egito confirma o assassinato de duas pessoas na península do Sinai.
Um cristão egípcio foi queimado vivo pelo Estado Islâmico em Alarixe, na região nordeste. Na mesma noite, seu pai foi assassinado a tiros. O homem que foi queimado vivo se chamava Medhat Hana e tinha 45 anos. Seu pai, Saad, tinha 65 anos.
Forças de segurança do país revelaram que os corpos foram encontrados na manhã desta quarta-feira (22) “atrás de uma escola no centro da cidade”. Desde o início do ano outros três cristãos foram mortos a tiros em Alarixe.
Perdendo território no Iraque e na Síria, o EI parece estar ganhando força em território egípcio. Há três anos e meio o grupo terrorista trava uma sangrenta guerrilha contra as forças armadas do Egito. Seus métodos de execução mostram que eles pretendem manter a mesma crueldade que os tornou conhecidos nos últimos anos.
No vídeo publicado essa semana pelos jihadistas, eles afirmaram que os cristãos eram a “presa favorita” do Estado Islâmico. Avisaram ainda que o atentado a uma igreja no Cairo que resultou na morte de 27 pessoas foi “apenas o começo” da perseguição contra os “infiéis”.
Os coptas são cerca de 10% da população do Egito e a maior comunidade cristã do Oriente Médio.

Com informações ABC News

Um Esposo Fiel

Ser casado com minha esposa é a maior benção da minha vida. Joy e eu somos casados há 14 maravilhosos anos, e eu não consigo imaginar minha vida sem ela. Eu escrevo este artigo com certo receio, pois sei que não sou um marido perfeito, mas quero me tornar um esposo fiel para o resto da minha vida. Este artigo não vai contemplar todos os significados do que é ser um esposo fiel, então apresento alguns conceitos para reflexão.
1. Um esposo fiel é um seguidor fiel de Cristo. Acima de tudo, um esposo fiel aprende com Jesus como amar sua esposa porque ele sabe como Cristo o trata. Ele entende que Jesus lhe ama, não porque ele é bom, merecedor ou obediente, mas simplesmente porque Ele escolheu amá-lo. O coração de um marido fiel foi conquistado pelo amor de Cristo, e ele ama Jesus porque Cristo lhe amou primeiro. Assim, ele vive sob a ordem de Jesus e guarda Seus bons mandamentos porque ele foi comprado por um preço. E ele ama sua esposa, não porque ela merece seu amor, mas porque Cristo ama ele , dando um exemplo de amor, ordenando-lhe a amar sua esposa.
2. Um esposo fiel ama sua esposa. Isso parece óbvio, mas está longe de ser. Amar nossas esposas não significa apreciar o quanto elas nos amam.Quando eu faço aconselhamento pré-matrimonial, eu sempre pergunto aos casais: ”O que você ama na sua noiva?” Às vezes o noivo diz: ”Eu amo como ela se importa comigo”, ” Eu amo a maneira como ela me trata” ou ”Eu amo como ela realmente me entende”. Mas amar sua esposa não é amar o quanto ela ama você. Uma vez ouvi um esposo dizer, ”Finalmente descobri porque sou tão feliz no casamento. Minha esposa e eu somos apaixonados por mim”. Mas um marido fiel ama sua esposa por servi-la sem pedir nada em troca. Ele ama sua esposa porque coloca as necessidades dela em primeiro lugar, não exigindo egoisticamente que ela coloque as dele. Ela não é sua empregada nem babá. Ela é seu amor. Isso significa que ele trabalha para ela, não só fora de casa, como dentro de casa e no relacionamento.
”Maridos, amai vossas mulheres, assim como Cristo amou a igreja e se entregou por ela” (Efésios 5:25).
3. Um esposo fiel fala com gentileza e bondade com sua esposa. Ou seja, ele não usa palavras para controlar sua esposa para seu próprio benefício. Ele não fala duramente com ela ou a menospreza para que ela o trate do jeito que ele quer ser tratado. A Bíblia alerta, ”Há alguns cujas palavras são como pontas de espada, mas a língua dos sábios é saúde” (Provérbios 12:18). Um marido fiel usa palavras para apoiar, fortalecer e edificar sua esposa. ”Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover edificação, para que dê graça aos que a ouvem’‘ (Efésios 4:29). Isso significa que esposos fiéis não usam palavras de julgamento, de críticas ou humilhantes. Eles usam palavras de amor, ânimo, aceitação e bondade. ”Sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo”. (Efésios 4:32)
4. Um esposo fiel conduz servindo sua esposa e estabelecendo um exemplo como o de Cristo. A liderança de um esposo é geralmente malentendida em alguns círculos cristãos conservadores. Maridos não devem conduzir suas esposas dizendo a elas o que fazer ou exigindo que elas sejam submissas. A Bíblia nunca diz aos maridos para que eles façam com que as esposas sejam submissas a eles. Ao contrário, os esposos devem conduzir suas esposas servindo e amando. Deus diz para as esposas serem submissas aos esposos, mas elas devem fazer isso livremente de coração, porque querem, não porque seus maridos exigem que elas sejam submissas. Em Marcos 10:42-45, Jesus diz:
“Mas Jesus, chamando-os a si, disse-lhes: Sabeis que os que julgam ser princípes das gentes delas se assenhoreiam, e os seus grandes, usam de autoridade sobre elas; Mas entre vós não será assim; antes qualquer que entre vós quiser ser grande, será vosso serviçal; E qualquer que dentre vós quiser ser o primeiro será servo de todos. Porque o Filho do homem também não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida em resgate de muitos”.
5. Um esposo fiel humildemente fala de Cristo para sua mulher. Quando sua esposa está desanimada, ele oferece os consolos de Deus. Ele tenta animá-la com as promessas seguras da Palavra. Quando ela peca contra ele, ele não reage com mais pecado. Em vez disso, ele é amável e resolve a situação usando o evangelho. Ele fala com ela como Deus em Cristo fala com ele na Palavra. Quando ele vê as qualidades que adora na esposa, ele louva a graça de Deus em sua esposa. Ele se alegra com sua esposa no evangelho de Cristo, pois Ele os reconciliou para Deus, pois Ele os deu vida eterna. E ele lembra sua esposa dessas coisas. Se ele perceber que sua esposa se desvia do caminho de Deus, ele fala de Jesus com toda a humildade e amor para ela. Ele sempre tenta lembrá-la das maravilhas e graças de Deus. E dessa maneira, um esposo fiel tenta colocar Deus no centro de seu lar com suas palavras e seu exemplo para a glória de Deus e pelo bem de sua esposa.
Que Deus conceda aos casais de fé a construção do matrimônio no Senhor Jesus Cristo para Sua glória e para a alegria deles.

Tradução graciosamente feita por Izabela Morgado
Fonte: founders.org

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Líderes cristãos fazem campanha contra ministério Billy Graham: “conservador demais”

Diversos líderes cristãos da cidade canadense de Vancouver se reuniram para tratar da cruzada promovida pela Associação Evangelística Billy Graham. Mas, ao contrário do que aconteceu durante décadas, eles estão se opondo ao evento.
Desde a aposentadoria do seu fundador, as cruzadas são realizadas pelo seu filho Franklin Graham, que preside o ministério. Contudo, seu posicionamento favorável a Trump durante a eleição fez com que ele passasse a ser tachado de “radical”.
O prefeito de Vancouver, Gregor Robertson, convocou lideranças católicas e evangélicas para compartilhar suas “preocupações” com a visita de Graham. Reclamou da postura pública do evangelista quando fala sobre muçulmanos, gays, ateus e democratas (partido de Obama e Hillary).
Marcado para acontecer entre 3 e 5 de março, o evento público pretende reunir mais de 25 mil pessoas. O ministério de Graham realiza várias cruzadas e pregações em todo o mundo, sendo geralmente muito bem acolhido pela igreja local. Mas em tempos de discursos politicamente corretos, ele está atraído críticas de vários segmentos cristãos.
Embora muitos líderes evangélicos canadenses tenham demonstrado apoio, a articulação do prefeito parece estar levando vantagem. “O prefeito está preocupado com a segurança. As  declarações que [Franklin] Graham faz sobre muçulmanos e gays realmente podem causar problemas”, assegura o conselheiro municipal Tim Stevenson. Além de político, ele é também o primeiro homossexual assumido a ser ordenado pastor pela Igreja Unida do Canadá.
Em uma reunião na última semana, liderada por Stevenson, foi elaborado uma petição para que se mantenha a cruzada, mas com outro pregador. Quatorze líderes cristãos apoiam essa decisão, incluindo o arcebispo católico Michael Miller, diretores de universidades evangélicas e líderes denominacionais de ramos liberais do cristianismo.
Um dos argumentos usados é que o discurso “extremista”, no sentido conservador, gera divisão na igreja. “Ele desumaniza a comunidade LGBT”, reclamou um dos presentes.
Franklin é conhecido por sua postura aberta contra o casamento gay e sua visão crítica do Islã. Recentemente, classificou os transexuais de “estranhos”. Na ocasião, reconheceu que não era uma linguagem polida, mas lembrou que: “Jesus não era muito amoroso às vezes. Ele chamou os fariseus de víboras, serpentes e sepulcros caiados”.
Também vem apoiando a decisão de Donald Trump de proibir a entrada de muçulmanos no país. Justificou-se dizendo que “o Islã é uma religião muito má e perversa”, que declarou guerra com o Ocidente cristão. Com informações de Vancouver Sun e Christian Today

O cristão pode comemorar aniversários ou datas festivas?

Como surgiu o hábito de comemorar aniversários?
“O hábito de comemorar o dia do nascimento [aniversários] surgiu na Roma antiga….A origem estava ligada à ideia de que, na data de aniversário, anjos malignos vinham roubar o espírito do aniversariante e era preciso tomar medidas para prevenir isso. Por ser ligada a superstições, a tradição foi inicialmente considerada pagã pela Igreja Católica”. 1
Ainda hoje, a seita Testemunhas de Jeová proíbe a comemoração de aniversários,2 citando a origem pagã dos costumes:
Os costumes de dar parabéns, dar presentes e de celebração – com o requinte de velas acesas – nos tempos antigos eram para proteger o aniversariante de demônios e garantir segurança no ano vindouro… As velas de aniversário, na crença popular, são dotadas de magia especial para atender pedidos… Velas acesas e fogos sacrificiais têm um significado místico especial desde que o homem começou a erigir altares para seus deuses.3
Entretanto, nós cristãos, comemoramos os aniversários, dando graças a Deus por mais um ano de vida concedido. Pode isso, Arnaldo? Sim, graças a graça de Deus, que é poderosa — não só para redimir nossas almas — mas resgatar também as motivações por trás daquilo que celebramos. Lembramos:
  1. Aquilo que foi distorcido por corações pagãos pode sim ser remido pela maravilhosa graça de Deus. Nossa natureza caída perverte mas não cria; tudo que há foi originalmente criado por um Santo Deus. A redenção restaura santidade à criação, e isso inclui todas as esferas: arte, política, educação, etc. Nas palavras do Abraham Kuyper: “Não há um centímetro quadrado da realidade sobre o qual Cristo não possa dizer: ‘é meu’”.
  2. É superstição imaginar que qualquer celebração hoje que coincida com uma celebração pagã invoca os demônios. Um caso clássico: a palavra Sunday (domingo) fazia referência ao deus Sun (sol) e dia de domingo seria destinado à sua adoração. No final do século 19, um famoso sorvete criado no domingo levou o nome Sundae. Mas isso não quer dizer que toda vez que você pede um sundae no McDonalds,4 você está cultuando ao deus do sol. Lembrando o caso de Josué em Gn 50.20, aquilo que alguém intenta para o mal, Deus pode intentar para o bem.
  3. Como cristãos, temos mil motivos para celebrar a graça de Deus. A alegria pertence aos cristãos. O erro dos pagãos não foi em celebrar os aniversários; seu erro consiste em direcionar suas celebrações aos deuses falsos. A impiedade residiu na motivação errada e não necessariamente no bolo, nas velas, ou decoração festiva. Já o povo de Deus tem uma alegria que nasce da motivação correta: “Em tudo dai graças, porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (1Te 5.18). Dito de outra forma: “se participo com gratidão, por que eu seria culpado por algo pelo que dou graças? Portanto, seja comendo, seja bebendo, seja fazendo qualquer outra coisa, fazei tudo para a glória de Deus” (1Co 10.30,31).
  4. A liberdade cristã é uma dádiva divina. Sendo liberto dos rituais do paganismo, o cristão pode escolher se quer ou não celebrar aniversários ou outras datas comemorativas. Posso celebrar a vida do meu filho, o lançamento do meu filme favorito, datas de casamento, e ainda lembrar a morte dos meus familiares ou a data da independência do meu país sem qualquer vínculo com as obras do pecado. Tenho liberdade para não celebra-los também. O que não posso fazer é usar minha liberdade para celebrar o pecado nítido (“pretexto para o mal”, 1Pe 2.16) porque então contraria o propósito da liberdade cristã.
  5. A proibição de aquilo que Deus não proíbe é sintoma de falsa devoção.Visto que morrestes com Cristo para os espíritos elementares do mundo, por que vos sujeitais ainda a mandamentos como se vivêsseis no mundo, tais como não toques, não proves, não manuseies? Todas essas coisas desaparecerão com o uso, pois são preceitos e doutrinas dos homens. Na verdade, esses mandamentos têm aparência de sabedoria em falsa devoção, falsa humildade e severidade para com o corpo, mas não têm valor algum no combate aos desejos da carne” (Col 2.20-23).
Resumindo: se você usa velas para espantar espíritos maus, pare com isso. Se você consome sorvete em homenagem ao deus sol, pare de comer isso. Se você ajoelha perante árvores de natal para adorar os deuses dos pagãos, você é idólatra; arrependa-se do seu pecado. Mas se você celebra a graça de Deus na sua vida para a glória dele de acordo com a liberdade que ele te deu, continue. Você é prova viva que a graça de Deus transforma, liberta e redime.

Fonte: daniel.gardner.nom.br

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Por que desistimos de ler a Bíblia?

Então você se comprometeu a ler a bíblia novamente este ano. Glória a Deus.
Talvez isso seja algo novo para você, uma promessa de ano novo. Ou talvez você seja um leitor maduro, desejando manter os padrões que Deus abençoou há muitos anos.
Se você leu muito ou pouco no passado, não vai mudar em nada no que vai acontecer. Talvez já aconteceu. Você se senta para ler a Palavra, passa meia hora lendo Gênesis, Deuteronômio, Salmos ou Romanos, fecha a bíblia, e não sabe o que fazer com o que acabou de ler.
O que você faz quando a leitura da bíblia não é proveitosa? Sua leitura não produz conhecimentos fantásticos, revelações, nem experiências profundas de respeito e milagres. Isso acontece com mais frequência do que imaginamos. Isso nos desanima. Deus falou comigo e nada mudou.
O que você faz quando a leitura da bíblia é insignificante?
Duas mentiras que Satanás conta
Para que você ora quando sua leitura da bíblia não lhe proporciona princípios de vida. Há alguma razão de ler as Escrituras quando não há aplicação pessoal.
Satanás tem o objetivo de nos destruir rodeando a fé em nossas almas.(Lucas 22:31; 1 Pedro 5:8). Há duas mentiras que ele profere quando lemos a bíblia. A primeira é nosso tempo com a Palavra não valeu a pena. Nossa plano de leitura nos deu meia hora de “esse e esse era um rei do mal. Ele guerreou com as pessoas. Ele morreu. E seu filho tornou-se rei em seu lugar’’. Divertido, talvez, mas se isso é tudo o que aproveitamos depois de ler a bíblia, melhor assistir à Netflix.
Essa é a mentira do cinismo. Não vejo proveito para mim aqui. Meu tempo foi perdido. Com o passar do tempo, acabamos lendo a bíblia cada vez menos, ou pulando as partes ‘’insignificantes’’ que achamos que não servem para nós.
Ou talvez Deus nos poupe por recusar cinicamente a importância de alguns capítulos ou livros da bíblia. Ainda haverá muitas vezes que não saberemos o que fazer com o que lemos. Neste caso, não temos problema com a bíblia, e sim com nós mesmos, Esta é mentira por desconfiar de si mesmo.
Por que não consigo tirar proveito da minha leitura? Sabemos que não é porque a Palavra de Deus é insignificante, então deve ser porque não somos inteligentes, espirituais ou treinados o suficiente.
Nossa adoração pela manhã, que se iniciou com tanta esperança e claro propósito, acaba em preocupação : “O que há de errado comigo que eu não vi nada de novo hoje?’’
Você não é um arquivo
Se você já sentiu cinismo ou dúvidas na leitura da bíblia, acalma-se. Quando compreendemos nós e a bíblia da maneira correta,veremos que não há nada de insignificante na nossa leitura.
Parte do problema é que não entendemos que Deus fez as pessoas para serem humanas em primeiro lugar. Humanos não são sistemas intelectuais de informações. Quase tudo o que você faz durante o dia é o resultado de informações reunidas em sua mente, reconhecendo o que é lógico e o que fazer.
O motor principal que move você pela vida não é o seu conhecimento, mas o amor. Nos movemos irresistivelmente (mesmo quando não percebemos) na direção do que amamos – nossos interesses profundos, desejos, e amores que cativam nossos corações.
Por que lemos?
Por isso Davi disse: “Se a tua lei não fora o meu deleite, então eu teria perecido na minha angústia.’’ – (Salmo 119:92) Verdade? Perecido?
Davi era poético, mas isso não é exagero. Mesmo se você meditar na lei de Deus dia e noite, (Salmo 1:2), desvendar o mais profundo aprendizado da sua leitura, e compreender todos os mistérios e conhecimento da vontade de Deus, (1 Coríntios 13:2), se seu coração não se moldar à semelhança do Filho de Deus, sua leitura bíblica não valerá nada.
Em nossa leitura bíblica, não estamos procurando aprender certas coisas, mas sim nos tornarmos certos tipos de pessoas. Nós queremos que a beleza, a excelência e a santidade de Deus se espalhe mais profundamente dentro de nós. não só no pensamento, mas no coração e no agir.
Nossas mentes tentam entender a Palavra de Deus, tentam encontrar proveito para nossas vidas, e tentam ganhar conhecimento dos mistérios de Cristo, não com um fim em si mesmas, mas porque esses são os caminhos que Deus nos dá para sermos conforme a imagem de Seu Filho (Romanos 8:29).
Espada em Suas mãos
Somos cínicos ou ficamos desanimados com a leitura da bíblia em parte porque esquecemos o que é ser humano, mas também porque esquecemos que a Bíblia é o livro de Deus.
A Palavra de Deus é “como fogo…como um martelo que esmiúça a pedra’’ (Jeremias 23:29). Você não para o martelo de Deus porque ficou sem um novo princípio de vida. Não podemos exterminar a Palavra de Deus , viva e ativa, simplesmente porque não entendemos seu significado prático imediatamente.
Devemos ser fiéis em cumprir nossa leitura, mas, fundamentalmente, é Deus que dá o crescimento (1 Coríntios 3:7) – o conhecimento, a aplicação, o esclarecimento – e Ele não depende de nós para abençoar como Ele deseja. Quando lemos a bíblia, não estamos fazendo uma autocirurgia para pensar ou agir melhor. Estamos nos voltando para Deus, que cura com sua espada, penetrando até a divisão da alma e do espírito, e das juntas e medula. (Hebreus 4:12).
Seu crescimento e santificação sempre acontecem mais profundamente do que você percebe – não desanime se não consegue ver de uma vez. Deus pode fazer mais para sua vida com dez minutos de leitura bíblica “insignificante” do que todo o conhecimento de Homero, Shakespeare e Tolstoy juntos.
Sem Desperdício
Toda a Palavra de Deus é “perfeita e revigora a alma” (Salmo 19:7).o que significado que o seu tempo com a bíblia não é desperdício. Não importa o quanto de conhecimento você obtenha em um dia de adoração (muito ou pouco) , você sempre terá algo pelo o que orar depois de sua leitura da Palavra.
Deus, sua palavra é perfeita, segura, justa, pura, limpa e verdadeira. Por isso, você reaviva almas, faz os simples serem sábios, alegra corações, ilumina os olhos, e nos molda à sua justiça ( Salmo 19:7-9) , Transforma as palavras na minha frente em virtude e graça dentro de mim, me moldando a imagem de seu Filho. Deixe sua palavra atingir o meu coração como um martelo, destruindo o que é pecaminoso, e purificando o que é justo. Molde não somente a minha mente, mas meu ser inteiro, para amar o que Cristo ama e abominar o que ele abomina. Amém.

Bryce Young é estrategista de conteúdo no Desiring God. Ele é formado no Seminário e Faculdade Belém, membro da Igreja das Cidades e atualmente vive no sul de Minneapolis, EUA. Twitter: @BryceLYoung

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Calendário ABG 2017

CALENDÁRIO DA ABG 2017

Tema: Anunciando o Reino com o Poder de Deus.
Divisa: “Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu” – (Mateus 6.10)

Calendário Atualizado

Fevereiro
11- Reunião ordinária do Conselho da UMHAG – Itabuna
26 a 28 –Mutirão em Maraú

Março
Dia da Esposa do Pastor - 1º domingo do mês
04 – Reunião do conselho da Associação Batista Grapiunense
18- I Encontro de JCA e MR Grapiunense
26 – 1ª Inspirativa da Associação – PIB de Canavieiras-BA

Abril
14 a 16 – AGER 2017 (Acampamento Grapiunense de ER)
20 a 23 – 97ª Assembleia da Convenção Batista Brasileira – Belém – Pará
28 a 30 – Caravana Missionária da Esperança – Itacaré-BA

Maio
06 – Reunião do conselho da Associação Batista Grapiunense
20 – Torneio de Futsal da SMHB
21 – 2ª Inspirativa da ABG – IB de Floresta Azul-BA

Junho / Julho
03 – 38º Aniversário da UMHAG (PIB Uruçuca)
03/06– Confraternização dos pastores Grapiunense (UFMBG)
11/06- Dia do Pastor
01/07- Torneio de Futsal 02 de Julho
16 e 17 – Encontro de Embaixadores e Mensageiras do Rei
27/06 a 01/07 – 94ª Assembleia Anual da Convenção Batista Baiana - PIB Itamarajú
28/06 – Torneio de Futsal dos ER de Ilhéus
28/07 – Torneio de Futsal dos ER de Itabuna

Agosto
05 – Reunião do conselho da Associação Batista Grapiunense
20 – 3ª Reunião Inspirativa da Associação Grapiunense - IB Sinai em Almadina-BA

Setembro
08 a 10 – Caravana Missionária da Esperança – Barro Preto-BA
16 e 17 – Olimpíada Estadual de ER
30 – Reunião Ordinária do Conselho da UMHAG – Ilhéus
22 e 23 - III Congresso de Mulheres Grapiunense

Outubro
06 a 08 - CONJUBAG 32
12 – Mutirão em Maraú

Novembro
04 – Reunião do conselho da Associação Batista Grapiunense
24 e 25 – Congresso dos Homens (PIB Ilhéus)
26 – 4ª Reunião Inspirativa da Associação Grapiunense - PIB Ilhéus

Dezembro
02 – Confraternização da UFMBG, homenagens aos 99 anos da UFMBG e o dia da Mulher Batista.
10 – Dia da Bíblia – 2º domingo do mês
25 – Natal

Fonte: ABG

Espírito Santo: efeitos de uma crise que ainda não passou

O problema óbvio que se perpetua e corrompe
Os danos causados pela crise vivida no estado do Espírito Santo vão exigir investimento, muito trabalho, cooperação, amor e graça, e levará algum tempo. Há muitos danos e efeitos colaterais. Um deles tem atingido os próprios policiais, identificados como o pivô de toda a crise1. Avaliações um pouco mais profundas acabam por revelar que, em que pese a responsabilidade que tiveram nos acontecimentos, não são os únicos responsáveis. Há uma conjuntura que envolve políticas públicas mal orientadas. Dizer isso é labutar no óbvio. Porém é o óbvio que costuma não ser visto! É o problema óbvio que se perpetua e corrompe. Ser óbvio não atenua a causa de qualquer problema, na verdade agrava-a.

Atualmente temos um grande contingente de policiais internados vítimas de esgotamento emocional. O Hospital da Policia Militar (HPM) da capital capixaba está pedindo socorro, para que profissionais da saúde, especialmente psiquiatras, possam voluntariar-se para atender os policiais. Há informações vindas de outros policiais que alguns de seus colegas estão nas ruas, mas longe das condições necessárias e do equilíbrio emocional mínimo para a tarefa de patrulhar e realizar abordagens. Isso potencializa o risco, tanto para o policial quanto para a população.

A fé faz alguma diferença nessa situação?
As igrejas batistas estão buscando, entre seus membros, profissionais que possam voluntariar-se para o atendimento e apoio aos policiais em atendimento no HPM e também a outros que não estão lá, mas necessitam de apoio. Em momentos assim, pode-se perceber a grande diferença que a fé produz na vida. Em conversa com um policial cristão, ele me narrou os dias de angústia que viveu no período em que foi impedido de sair do quartel. Em alguns momentos ele apenas ficava em silêncio e dizia que eu não poderia entender o que havia acontecido. Contou-me que ficou à beira do desespero, quando então buscou um lugar solitário e entregou-se a Deus, como jamais havia feito antes. E então sentiu-se consolado e fortalecido.

Embora seja um policial técnico – não treinado para atividades externas – neste momento é o que tem feito, participando do patrulhamento das ruas. Sente-se fortalecido por Deus e, em sua alma, sente-se chamado para contribuir e, se é preciso estar nas ruas, então ele está disposto a isso. “Percebo que são os policiais que creem, que confiam em algo maior que eles mesmos, que melhor estão reagindo neste momento de tanta pressão e insegurança!”, disse o militar. Confidenciou-me que há ameaças sendo feitas e que tem dependido do apoio da família, amigos e das orações de muitos irmãos.

Ore pelo estado do Espírito Santo. Ore pelos militares e pelo governo. Há pessoas que perderam o trabalho de uma vida inteira e não têm ideia como reerguer-se. Há muito luto. O número de mortos é bem maior do que os indicados nas notícias2. E a crise ainda não acabou. A normalidade precisa ser retomada e a Grande Vitória vai procurando reagir com quase tudo funcionando. No final do dia 13, algumas notícias tristes: pelo menos três ônibus foram incendiados e um assalto ao Convento da Penha, local turístico e símbolo religioso, chamou muita atenção. Neste episódio, o frei Pedro Engel, de 80 anos, foi amarrado e sofreu diversas escoriações pelo corpo. O dinheiro das ofertas das missas foi levado. Que, pela misericórdia de Deus, o restante da semana seja de notícias melhores!

Notas:1. Foram abertos Inquéritos Policiais Militares (IPMs) e processos administrativos que podem terminar na demissão de 155 militares. Fonte: G1.
2. Governo do ES divulga pela 1ª vez número de mortos na crise: 143. Fonte: G1.

• Usiel Carneiro de Souza é pastor da Igreja Batista da Praia do Canto, em Vila Velha, ES. É mestre em teologia e também graduado em Administração pela Universidade Federal do Espírito Santo.

Concurso Guarda Municipal de Belo Horizonte 2017

Saudações, mineiros! Como vão os estudos? Temos novidades sobre um grande concurso policial em Belo Horizonte, o da Guarda Municipal de BH, que tem a previsão de centenas de vagas logo, logo. Veja o que publicou o jornal Folha Dirigida:
A Prefeitura de Belo Horizonte mantém como prioridade o concurso para a Guarda Municipal da cidade (GMBH). A intenção é dobrar o efetivo da corporação, que hoje conta com 2.088 servidores e tem carência em diversas áreas, inclusive no patrulhamento das ruas, principal objetivo de mudança por parte da nova gestão.
O concurso exigirá nível médio e oferecerá o cargo de guarda de 2ª classe, posto inicial na carreira da instituição. Os contratados começam com vencimentos de R$1.720,72, mais benefícios como Gratificação por Disponibilidade Integral (GDI) de R$294, adicional por exercício de atividade de risco de R$578 e vale-refeição no valor de R$350. O posto mais alto da carreira é o cargo de superintendente, com vencimentos superiores a R$8 mil mensais. A jornada de trabalho na GMBH é de 44 horas semanais.
A expectativa se dá também pelos quase oito anos desde o último concurso. Na época, não havia plano de carreira para o cargo e a seleção foi para o nível fundamental, com 600 contratações. As disciplinas cobradas foram Português, Legislação, Noções de Geografia Urbana e História de Belo Horizonte, em seleção que contou com etapas como prova objetiva, prova de títulos, avaliação de capacidade física, exame psicológico, sindicância social e exames médicos.

Fonte: Concurso Policial

Uma carta aberta ao recém-convertido

Querido irmão em Cristo,
Seja bem-vindo à maior família do mundo! Uma família de regenerados, um rebanho de remidos. Antes estávamos longe de Deus, mas agora, em Cristo Jesus, chegamos perto. O mesmo Jesus Cristo que morreu na cruz e ressuscitou, agora tem te dado vida eterna. Eternamente gozarás o amor de Deus. Eternamente serás aceito por Ele!
Imagino sua alegria ao sentir o perdão divino. É maravilhoso saber que o Deus que te criou não te condena. E ainda: Ele te chama de filho amado! Saiba que Satanás e seus demônios terão como principal objetivo roubar sua alegria. Mas não tire seus olhos do seu Salvador. Sua identidade está nele. Sua segurança também.
Permita-me destacar esses breves pontos. Serão de ajuda na sua jornada cristã.
Primeiro, não permita que algo tome o lugar de Jesus Cristo. Você irá aprender bastante nos seus estudos bíblicos. Mas tudo deverá aprofundar seu amor por Cristo – e nunca tomar o lugar do seu amor por Ele! Aprender doutrina é importante. É saudável. É necessário. Mas não permita que alguma doutrina te seja mais preciosa do que seu Salvador! Talvez você já ouviu falar dos termos “calvinismo”, “doutrinas da graça”, “arminianismo”, ou “eleição”. Terás tempo para conhecer melhor cada um. Mas nenhum destes termos morreu na cruz por você. Que seus estudos te façam amar cada vez mais a Cristo e seus discípulos.
Lembre-se que o arrependimento é característica do filho de Deus. Talvez você esteja sob a impressão que o verdadeiro seguidor de Cristo não necessita se arrepender. Talvez você pense que a perfeição esteja ao seu alcance ainda nesta vida. Mas esse não é o caso. A luta contra o pecado continua! Por isso o arrependimento é vital na vida do cristão. Ser um discípulo de Cristo não te faz ser perfeito. É perante a perfeição de Cristo que reconhecemos o quão frágeis e fracos somos. Não permita que orgulho te iluda. Esteja pronto a perdoar, e também a pedir o perdão dos seus irmãos.
Deus te ensinará a confiar nele através de diversas situações. Existe nos nossos dias um movimento que sugere que Deus faz chover somente prosperidade sobre seus filhos. Como se a dor, a perda ou a frustração não fizessem parte da vida cristã. Estão enganados. Nas Escrituras, vemos os discípulos – do mais novo ao mais maduro – experimentando diversas dificuldades e até perseguições. Alguns foram mortos pela sua fé. Mas mesmo nos piores momentos, era Deus que os guiava. Não desanime, cristão. Às vezes Deus nos ensina através da dificuldade.
A salvação continua sendo por meio de graça. Você não pôde se salvar, então Cristo te salvou. Isto é graça. Da mesma forma, não há nada que você possa fazer para se tornar mais amado por Deus. Não tente obedecer a Deus com o fim de ganhar ainda mais da sua aceitação. É fútil. Em Jesus Cristo, você é aceito na presença de Deus, hoje, amanhã e para sempre. Obedeça a Deus para imitar a Cristo, que obedeceu até a morte, e morte de cruz. Procure viver de maneira santa por Deus ter sido gracioso contigo – e não para conquistar ainda mais graça.
Procure comunhão na igreja. Não caminhe sozinho. Você precisa de relacionamentos genuínos, diálogos edificantes, e adoração em comunidade. É na igreja local que você será encorajado (e desafiado) a viver a sua fé: amando, perdoando, ajudando e adorando. Não é por acaso que as Escrituras se referem à igreja local como sendo “o Corpo de Cristo”. Você sozinho não poderá representar Jesus Cristo ao mundo. Esse é o papel da igreja, ainda que muitas vezes ela falhe nisto. Você poderá ajuda-la a testemunhar a união e amor de Jesus Cristo perante o mundo. Procure uma igreja que pregue e viva a Palavra de Deus. Procure uma igreja que não permita que nada tome o lugar de Jesus Cristo.
Seja bem-vindo a família de Deus! Vamos, juntos, seguir ao bom Mestre.

Fonte: Palavraprudente.com.br

domingo, 19 de fevereiro de 2017

7 razões para nunca enviar fotos íntimas (nudez, pornografia e nudes)

Hoje é o episódio de número 1.000. Isso deveria ser um tanto quanto fora do normal, e é. Hoje lidamos com um fenômeno surpreendentemente comum, feito super conveniente pela tecnologia do smartphone. Claro que estamos falando sobre o envio de selfies de nudes. Isso faz parte de uma discussão crescente em nossa cultura. Eu me encontrei recentemente com uma assistente do diretor de uma grande escola pública de ensino secundário aqui nos subúrbios de Minneapolis, para falar sobre smartphones e adolescentes. Ela me disse algo que escrevi: “No último ano, fiquei chocada com quantas crianças — crianças que você nunca suspeitaria — têm fotos nuas em seus celulares, fotos privadas enviadas entre elas e um namorado ou namorada. No meu trabalho eu olho vários celulares, e quando me deparo com essas fotos, fico simplesmente atordoada. Para mim, quando se trata de estudantes do ensino médio e seus smartphones, essa é a tendência mais surpreendente que eu vejo agora”.
Isso é parte de um fenômeno muito maior, especialmente entre os jovens do sexo masculino, que enviam imagens de nus para as meninas de uma maneira absurda — uma nova e perturbadora prática bem documentada pela jornalista Nancy Jo Sales em seu livro esclarecedor: American Girls: Social Media and the Secret Lives of Teenagers [Garotas Americanas: Mídias Sociais e as Vidas Secretas das Adolescentes]. É um livro perturbador e também uma chamada ao despertamento para qualquer pai com uma filha que tem um smartphone.
Eu digo tudo isso para introduzir a pergunta de hoje, que vem de uma ouvinte de 20 anos chamada Lily. Ela escreve: “Caro pastor John, estou atualmente em um namoro a longa distância com um cristão. Recentemente, ele pediu que eu enviasse fotos minhas nuas e eu me senti obrigada a fazê-lo. Agora me arrependo dessa decisão. O que você diria aos jovens cristãos solteiros que são tentados a cometer esse mesmo erro?”.

Eu acho que tenho uma boa autoridade bíblica para dizer, em nome de Deus, a cada um de seus filhos, homens e mulheres, que nunca peçam para ver alguém nu, exceto seu cônjuge, e nunca mostrem sua nudez por motivos eróticos ou sexuais — salvo por razões médicas — exceto para o seu cônjuge. Estou querendo dizer que isso não deve ser feito pessoalmente e nem por imagens. E eu lhes darei sete razões pelas quais penso que estou respaldado na autoridade de Deus ao dizer isso. E espero que nenhum de vocês que me ouvem alguma vez façam isso ou jamais voltem a fazê-lo.
1. Quando Deus criou o homem e a mulher, é dito em Gênesis 2.25: “Ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus e não se envergonhavam”. Essa existência livre de culpa e de vergonha terminou quando Adão e Eva pecaram e sua primeira experiência depois que pecaram foi culpa, remorso e vergonha. E assim, em Gênesis 3.7 diz: “Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si”. Então, Deus teve misericórdia deles em Gênesis 3.21, onde é dito: “Fez o SENHOR Deus vestimenta de peles para Adão e sua mulher e os vestiu”.
O plano de Deus para a remoção dessa vergonha é a relação sagrada do casamento, assim como o casamento é a reversão de numerosos elementos da maldição. A liberdade que descobriremos não está no palco: vamos tirar nossas roupas nos filmes e no palco. Não está em um clube de striptease. Não está na frente de namorados ou namoradas. Não está na tela de nossos celulares. Está no profundo respeito, amor, segurança de um relacionamento de aliança chamado casamento. É aí que as pessoas com as aparências mais comuns podem estar livres da vergonha. Isso é o que o amor faz.
Fora dessa relação, Deus trata a nudez como uma das formas mais vívidas de julgamento divino. Isaías 47.3 diz: “As tuas vergonhas serão descobertas, e se verá o teu opróbrio; tomarei vingança e não pouparei a homem algum”. Ou Lamentações 1.8: “Jerusalém pecou gravemente; por isso, se tornou repugnante; todos os que a honravam a desprezam, porque lhe viram a nudez; ela também geme e se retira envergonhada”. Ezequiel 16.37: “eis que ajuntarei todos os teus amantes, com os quais te deleitaste, como também todos os que amaste, com todos os que aborreceste; ajuntá-los-ei de todas as partes contra ti e descobrirei as tuas vergonhas diante deles, para que todos as vejam”. Em outras palavras, a nudez na aliança do casamento é uma coisa bela e emocionante para os filhos de Deus. Mas a nudez fora dessa relação é uma manifestação do julgamento divino, embora como nação tenhamos sido ensinados pela mídia, pela indústria cinematográfica e por certas estrelas famosas a considerar a nudez como uma forma de poder, distinção e fama. “Eles se gloriam na sua vergonha”, diz a Bíblia (Filipenses 3.19, tradução do autor). Essa é a primeira razão.
 2. Em consequência dessa compreensão da nudez e da roupa o apóstolo Paulo diria: “Da mesma sorte, que as mulheres, em traje decente, se ataviem com modéstia e bom senso… como é próprio às mulheres que professam ser piedosas” (1 Timóteo 2.9-10). Agora, todas essas três palavras — kosmio, decente; ajdous, modéstia; sōphrosunēs, bom senso — curiosamente têm a conotação de uso pensativo e sério da mente de uma mulher sobre como fazer sua roupa falar de sua piedade. Cada mulher deve fazer essa pergunta: Como o que eu uso e o que não uso fala sobre a minha piedade? A roupa não é uma questão indiferente na economia de Deus. Ela fala sobre a visão que uma mulher (ou um homem) tem a respeito de Deus, de seus próprios compromissos com Deus, de sua alegria em Deus e de sua liberdade das manobras manipuladoras dos homens para obter o que querem. Essa é a segunda razão.
3. Paulo assume em 1 Coríntios 12.23-24 que tomamos especial cuidado em cobrir as partes mais íntimas de nosso corpo. Ele diz que os membros “que em nós não são decorosos revestimos de especial honra. Mas os nossos membros nobres não têm necessidade disso. Contudo, Deus coordenou o corpo, concedendo muito mais honra àquilo que menos tinha”. Isso é parte do modo como Deus ajudou a vivemos com as consequências da queda nesse mundo pecaminoso.
4. Paulo diz a Timóteo e, por implicação, a outros rapazes: “Não repreendas ao homem idoso; antes, exorta-o como a pai; aos moços, como a irmãos” — trate os homens mais jovens como irmãos — “às mulheres idosas, como a mães”. Aqui está a chave: trate “às moças, como a irmãs, com toda a pureza” (1 Timóteo 5.1-2). Ora, o que isso significa? Trate as mulheres mais jovens como irmãs, com toda a pureza. Isso significa que, até que um homem seja casado, ele deve tratar adequadamente sua irmã, sua verdadeira irmã, e ditar a pureza de seu comportamento em relação à sua namorada. Outra maneira de dizer isso seria: Veja a tentação de pedir fotos nuas da mesma forma que você veria a tentação de incesto.
5. Se um homem pede a uma mulher solteira que lhe mostre seu corpo, por definição ele é indigno dela: indigno de sua confiança, de seu afeto e de sua aliança. O pedido que ele está fazendo, em si, deve ser suficiente para a mulher dizer adeus. Eu queria dizer isso. Eu realmente quero dizer isso. Vamos, mulheres. Se qualquer mulher pensa que esse é um comportamento cristão masculino normal, não é. Isso é doentio. Significa que ele é ignorante quanto à piedade e que quando ele se cansar de você antes ou depois do casamento, vai se sentir livre para pedir à outra para tirar as suas roupas. E se ele não puder obter isso pessoalmente, ele obterá a partir da Internet. E você terá dito a ele que está tudo bem, porque você cooperou com isso antes do casamento, não apenas no casamento. Então, estabeleça isso. Se ele pede, ele é indigno. Acabou.
6. No Cântico dos Cânticos, onde há exultação na nudez entre um homem casado e uma mulher, mais uma vez é dito: “Conjuro-vos, ó filhas de Jerusalém, pelas gazelas e cervas do campo, que não acordeis, nem desperteis o amor, até que este o queira” (Cf. 2.7, veja também 3.5, 8.4). As fotos sexualmente eróticas fazem exatamente aquilo que não devemos fazer. Elas despertam o desejo que não pode ser legitimamente satisfeito, o que significa que elas levarão à masturbação ou à fornicação.
Não sei o que se passa dentro da cabeça de uma mulher. Mas só posso pensar que é uma noção deformada da sexualidade quando uma mulher obtém prazer em ajudar um homem a agir como um menino de treze anos em sua masturbação. É esse o tipo de homem que ela quer?
7. E finalmente, a sétima razão, a razão menos importante. É a razão menos importante e pode ser a mais atraente. É praticamente uma certeza que tais fotos se tornarão públicas mais cedo ou mais tarde, e você descobrirá por si mesmo o que o Deus intentava ao trazer esse julgamento.
Assim, com a autoridade de Deus, eu penso que posso dizer aos homens e mulheres: Não peça e não dê tais fotos.

Por: John Piper. © Desiring God Foundation.Website: desiringGod.org. Traduzido com permissão. Fonte: Never Send Nude Selfies: Seven Reasons

A Gloriosa Obra do Espírito Santo

A GLORIOSA OBRA DO ESPÍRITO SANTO
​O Espírito Santo é Deus. Tem os mesmos atributos e realiza as mesmas obras exclusivas de Deus. Ele é a terceira pessoa da Trindade. Esteve presente na obra da criação e opera eficazmente na aplicação da salvação. Elencaremos, a seguir, algumas obras do Espírito Santo:
​Em primeiro lugar, ele convence o homem do pecado (Jo 16.8). Nenhum pecador teria consciência do seu pecado nem chegaria ao arrependimento sem a obra do Espírito Santo. É ele quem nos convence de pecado e abre nossos olhos espirituais para enxergamos a Cristo, como nosso Salvador.
​Em segundo lugar, ele regenera o pecador (Jo 3.5). O homem é concebido em pecado, nasce com uma natureza inclinada ao pecado e não pode mudar a si mesmo. Só o Espírito Santo pode mudar as disposições íntimas da nossa alma e nos fazer uma nova criatura. Só o Espírito Santo pode nos dar um novo coração, uma nova mente e uma nova vida. Só pela obra do Espírito Santo o pecador pode ser regenerado, nascer de novo e fazer parte da família de Deus.
​Em terceiro lugar, ele sela o crente como propriedade exclusiva de Deus (Ef 1.13). Quando cremos em Cristo, pela pregação do evangelho, somos selados pelo Espírito Santo da promessa. O selo fala de propriedade: passamos a pertencer à família de Deus. O selo fala de pureza: a obra realiza por nós, em nós e através de nós é genuína e verdadeira. O selo fala de inviolabilidade: ninguém pode nos arrancar nas mãos de Cristo. Temos uma segurança eterna.
​Em quarto lugar, ele é o penhor que nos dá garantia da nossa redenção (Ef 1.14). No exato momento em que depositamos nossa fé em Cristo e recebemos a vida eterna, o Espírito Santo nos é dado como garantia de que aquela obra que foi começada em nós, será completada até o dia final. É como um anel de noivado, que sinaliza a promessa da consumação do casamento. O Espírito Santo em nós é essa garantia divina de que na glorificação seremos apresentados como noiva imaculada e sem defeito ao Noivo Celeste.
​Em quinto lugar, ele batiza o crente no corpo de Cristo (1Co 12.13). Todo aquele que crê em Cristo, é introduzido na igreja de Deus, o corpo de Cristo, pela obra do Espírito Santo. Nenhuma denominação religiosa ou rito sagrado pode nos fazer participantes da igreja, cujos membros estão arrolados no céu, senão o Espírito Santo.
​Em sexto lugar, ele dá dons espirituais aos salvos (1Co 12.7-11). O Espírito Santo é o capacitador dos salvos, para o serviço de Deus. Ele concede dons diversos aos filhos de Deus, segundo sua soberana vontade. Esses dons são uma capacitação especial para o desempenho do ministério. Não há nenhum salvo sem dom espiritual e nenhum salvo com todos os dons. No corpo de Cristo não pode existir complexo de inferioridade nem complexo de superioridade; deve sim, existir mutualidade. Esses dons devem ser exercidos não para a glória pessoal de cada membro, mas para a edificação e crescimento do corpo de Cristo, bem como para a glória de Deus.
​Em sétimo lugar, ele dá poder aos santos para testemunhar (At 1.8). Não há testemunho eficaz do evangelho sem poder e não há poder sem a operação do Espírito Santo. A obra de Deus não é feita na força do braço da carne, mas na virtude e no poder do Espírito Santo. Ele dá poder à igreja para sair da especulação doutrinária para o campo da ação missionária. Ele capacita a igreja a romper barreiras culturais, étnicas e religiosas, a fim de que o evangelho chegue até aos confins da terra. Ele dá poder à igreja para perdoar seus inimigos e amar até aqueles a perseguem. Ele dá poder à igreja para morrer pela causa do evangelho e não retroceder diante do sofrimento. Ele dá poder à igreja para pregar a toda criatura e fazer discípulos de todas as nações. Sem o poder do Espírito Santo a igreja não cumpre a grande comissão. Sem o poder do Espírito Santo a igreja não vive em santidade nem marcha vitoriosamente em sua jornada rumo à glória. Nós precisamos do Espírito Santo!

Rev. Hernandes Dias Lopes

Você poderá gostar também de:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...